quarta-feira, 27 de julho de 2016

Uma passagem apenas de ida



Eu pertenço e sempre pertenci a dois mundos.
Antes até de vir a esse mundo, a minha história é cheia de curvas e estradas distantes. Sou o resultado da união de um filho pródigo de boa família da Alemanha, e uma meia-orfã que fugiu do Goiás para conhecer o 'mundo lá fora', que ela encontrou primeiro no Rio de Janeiro, e depois na Europa.


Sou filha de dois lugares tão diferentes, tão complexos, e tão fascinantes, que me sinto perdida ao pensar em escolher um só como meu lar. Alemanha e Brasil.

Depois de muitos anos, e uma caminhada para me encontrar, consigo definir melhor quem eu sou e onde pertenço. A Alemanha, metade da minha nacionalidade, é como uma mãe adotiva. Ela me criou, me ensinou tudo que podemos aprender de livros e professores. Ela me preparou intelectualmente para esse mundo duro, ela me mostrou como ser disciplinada, independente, honesta, correta. E fez isso com carinho, apesar de que nunca pensam em carinho quando pensam nesse país.

Mas o Brasil. Ah, o Brasil é a minha mãe de sangue, de alma. Aquela que só pelo abraço você já se sente conformada. Aquela que entende você porque sangue é mais grosso que água. Aquela que tem uma sabedoria que sempre ganhará de qualquer livro didático ou pesquisa no Google. Essa mãe me mostrou que o mundo pode ser muito difícil, mas que entre todas essas dificuldades encontraremos pessoas do bem que encherão o nosso coração de amor e felicidade. Ela me ensinou a rir mesmo quando as coisas não dão certo do jeito que eu queria, e a agradecer o que tenho. Ela me transformou numa pessoa que levanta e sacode a poeira da roupa depois de cair, numa pessoa que tenta denovo e denovo até conseguir o que queria. Ela me ensinou a ter orgulho das minhas raízes.


Sim, eu sou uma garota dividida entre dois mundos. Sorte e ao mesmo tempo dor. Porque não importa onde estou, sempre sinto saudades.
E depois de muito tempo - 9 anos para ser exata - matei a saudade da terra que me criou: voltei para a Alemanha.


Amo o Brasil, mas existiam muitas coisas que me incomodavam e eu comecei a perceber que não conseguia me enxergar morando no Brasil para sempre.
A minha história no Brasil tinha acabado e eu estava pronta para o próximo capítulo da minha vida. Não tinha sido fácil no Brasil, mas tudo que aconteceu me preparou para o passo mais difícil da minha vida: mudar sozinha para outro país.






Quando olho para trás me pergunto como consegui passar por tudo que passei. Foi uma loucura largar tudo e simplesmente ir embora. Mas eu fui com uma certeza tão grande de que estava fazendo a coisa certa, que isso me puxou adiante. Me decepcionei com velhos amigos, mas outros me ajudaram muito! Descobri o quanto sou forte e corajosa e no final tudo valeu a pena quando a vida me deu tudo que eu desejava. Nessas horas a gente percebe que o destino gosta de pessoas que se arriscam.




Então, resolvi deixar essa mensagem aqui: arrisque-se. Faça agora e não perca mais tempo. Tenha coragem! No final vai valer muito a pena.


Beijos!

Ju

(PS: Caso tenham pedidos de posts sobre alguma coisa da Alemanha, me avisem!)




Nenhum comentário:

Postar um comentário